Home » » O QUARTO

O QUARTO

A luz entrava no quarto pela janela,filtrado apenas pela cortina,enchia-o de luz,naquela tarde quente,a ventoinha fazia com que o ar circulasse mantendo o espaço agradável,mas ele sentado no cadeirão no meio do quarto tinha os seus sentidos focados na imagem á sua frente,na cama aquela mulher nua,"vestida" apenas com umas meias de ligas pretas,procurando prazeres solitários para seu deleite.
A mulher com as suas mãos acariciava o seu sexo,deixando-o húmido,era esse um som que reconhecia,para alem da respiração entre cortada,por gemidos de prazer,um prazer que ela conhecia como ninguém,não fosse dela o corpo que percorria.
Ele sentia o seu desejo crescer entre as pernas,com aquela visão de prazer,e de cumplicidade,ansiava que ela o procurasse,queria afundar a sua língua no seu sexo,sugar o seu ponto de prazer,enfiar o seu caralho dentro dela,fazê-lha pedir por mais,mas ela sabia que era isso que ele queria,e não não o iria chamar tão depressa,iria fazê-lo deseja-la quase de uma forma animal.
O seu corpo de mulher estremeceu pelo orgasmo que procurava,sabia que ele a estava a observar,e por dentro isso dava-lhe um prazer imenso,saber que tinha o domínio,que o poderia ter logo que o desejasse,logo que o seu desejo fosse mais forte que a sua vontade racional,os seus dedos enfiaram-se mais fundo ainda na sua cona molhada,tocando nos locais do seu corpo com a intensidade que ela desejava e conhecia,na sua mente a imagem do sexo daquele homem ali sentado,imaginava-o cheio de tesão,pronto para ela,sabia que era assim que ele estava,queria poder chupa-lo agora,queria o seu sabor na sua língua,mas iria fazê-lo esperar mais um pouco,queria vir-se novamente,deixa-lo louco para a ter.
Sentado no cadeirão,ele ja não se continha quieto,tinha tirado para fora das calças o seu membro que agora acariciava,antevendo o momento que se aproximava,tinha saboreado o orgasmo dela,cada segundo tinha sido um deleite para os seus sentidos,sabia que haveria outro solitário,mas que o climax do momento seria a dois,numa união de corpos,cheiros e líquidos que só quem se deseja de uma forma tão louca o consegue fazer,ja faltava pouco para poder ter a autorização para desfrutar daquele corpo que a sua frente o enlouquecia,que mexia com todos os seus sentidos.
Estava a ter o seu segundo orgasmo,sozinha,como tinha desejado,estava na altura de lhe acabar com aquela tortura,virou o rosto para ele e apenas com o olhar,mostrou-lhe todo o desejo que tinha.
Ele esperava aquele olhar há tanto tempo que os segundos tinham parecido horas,levantou-se sem uma palavra,obediente,e juntou-se a ela naquela cama,de prazeres....agora não solitários.

J.C.
 
Support : Copyright © 2015. pura mente impropria - All Rights Reserved