Home » » Não pares por favor...(capítulo seguinte)

Não pares por favor...(capítulo seguinte)


- Não pares por favor...(capítulo seguinte)

Dias depois, aquela loucura não saia do pensamento. Cada toque, cada beijo, cada gemido, cada minuto...
Aqueles orgasmos alucinantes invadiam a sua mente de forma descontrolada e repetida...
Dele tinha apenas o seu número de telemóvel, o seu nome e a memória do seu sorriso rasgado... E isso bastou!
Ainda nem 24 horas tinham passado e o novo encontro estava marcado.
Antes de sair, tomou um longo banho, perfumou o seu pescoço e cobriu o seu corpo com um vestido de seda vermelha, apropriado à sua exploração.
Saiu para rua confiante e deslumbrante... E lá estava ele no local exacto à hora marcada.
-Estás linda!
-Obrigada.
-Sensual!
-Hum...reconheço!
-Confias em mim?
-Não sei! Acho que sim mas ainda é cedo para responder a essa questão...
-Vem comigo, vou levar-te a um sítio mágico.
E assim seguiu os seus passos até ao carro.
A viagem foi calma mas sempre com o desejo presente em mente...no rádio ouvia-se tango argentino...
-Chegámos ao nosso destino, aprecia a vista maravilhosa que por nós espera!
Era sem sombra de dúvidas uma vista arrepiante, preenchida por um mar infinito, imenso, azul que lhe temperava todos os sentidos.
-É aqui que vamos ficar? - perguntou ela de forma efusiva.
-Hum...Porquê? Não gostas?
-Adoro!!!
-Estás a ver aquela casa ao fundo da rua?
-Sim!!!
-Anda, é lá que vamos ficar!
Entraram em casa, numa sala ampla que deslumbrava os seus olhares. Uma das paredes era dominada por um enorme espelho que imediatamente despertou um sentimento de infinito, de liberdade total, de prazer sublime...
Após longos minutos de excitação, as suas mãos masculinas elevaram o corpo delineado...feminino...suado...
Lentamente beijou-lhe cada pedaço de carne...o pescoço, os ombros, o peito, o umbigo... Nenhum espaço ficou esquecido, nenhum pedaço ficou sem ser lambido pela língua que o seu interior queria perfurar...
Finalmente a sua carne foi invadida por dois dedos sedentos em mãos que rapidamente lhe afastaram as pernas. Sentiu-a vibrar de tanta excitação!
Puxou-lhe os cabelos e virou-a para o espelho...
O seu pénis erecto estava agora colado às suas nádegas, o suor escorria-lhe pelas costas abaixo misturando-se com os seus fluídos.
A sua carne foi invadida por outro pedaço de carne numa combinação perfeita de gemidos agora transformados em gritos de prazer!
Estavam agora unidos num só...num só corpo transpirado, de mãos presas em rostos que desenhavam loucas expressões de prazer!
Contra o espelho as mãos dele agarravam os pulsos dela...
Ao ouvido segredou-lhe que a queria fazer desmaiar de prazer enquanto entrava nela com força, rapidamente, deslizando com a facilidade que um orgasmo permite, causando em poucos segundos um segundo orgasmo...
Foi incrível a forma como aqueles corpos estremeceram...o ritmo descontrolado com que se devoraram...a luta desenfreada com que se descobriram...a despedida anunciada pelo grito que entoou nas ondas do mar e que fez tremer tudo a seu redor...
 
Support : Copyright © 2015. pura mente impropria - All Rights Reserved