Home » » Até ao limite... (Capítulo l)

Até ao limite... (Capítulo l)


Em mim despertaste pontos fracos difíceis de controlar. Em mente tinha apenas um único objectivo - devorar-te!
Nem queiras imaginar as loucuras que me povoaram a mente enquanto te despia com os olhos...
A tua voz, as tuas histórias, o desejo com que descrevias o que sentias por mim despertaram o firme propósito de te seduzir!
Apetecia-me provar-te o mais íntimo de todos os teus desejos!
Confesso que adorei quando me disseste que irias fazer o possível e o impossível para que entre nós surgisse algo...
Aquela noite foi divinal! Fizeste de mim uma menina de 16 anos, em busca do seu primeiro grande amor!...
Sorri-te, fixei-te com um olhar que segundo tu, enfeitiçaria qualquer mortal!
Entre sorrisos, confidências e suaves toques de mãos, o ambiente foi aquecendo e o desejo de te conhecer melhor descontrolava os meus sentidos...
Não posso deixar de referir o modo como me abraçaste pela primeira vez! Foi um abraço quente, apertado, prolongado... pleno de desejo! E de novo eu era uma menina de 16 anos dentro dos teus braços fortes...
O regresso a casa foi agitado, por entre devaneios, emoções, confissões de adolescentes e mãos que lentamente exploravam e apertavam a carne faminta!
Lembro bem quando paraste o carro no meio de nada e subitamente me tocaste e me puxaste contra o teu tronco...
Os teus lábios quase que abarcavam o meu pescoço, o meu rosto, a minha boca... Tocar a tua língua deixou-me sem fôlego, quis mordiscá-la, prová-la, envolvê-la na minha saliva...
Sem desviar o olhar do teu rosto para fixar cada expressão facial de prazer, dei especial atenção à tua respiração, estava acelerada revelando o desejo que te invadia o corpo.
Estava ansiosa por te ter mas tentei manter-me serena a teus olhos!
A estrada abriu-se de novo para nós, o destino seria a minha casa!
Chegados, convidei-te para subir! Aceitaste de imediato...
Um pouco sem jeito convidei-te para te sentares no sofá, e tu obediente cedeste ao meu pedido...
Era inevitável não te tocar, não te explorar, não me entregar a ti!
Estavas ali quieto, impaciente, pronto para me mostrares o teu melhor...
Sentei-me a teu lado e tu tremeste!
Abraçaste-me de novo, olhaste-me nos olhos com receio, com medo, com surpresa... afinal tudo aquilo era novo para ambos!
É incrível, depois de anos passados no mesmo liceu, nunca ter surgido algo, apesar de nesse mesmo tempo te sentires atraído por mim, segundo confessaste... e agora depois de alguns anos distante, tinha-te ali comigo!
Estranho não é? Estranho mas delicioso, acho até que aquele iria ser o culminar de muita tesão acumulada!
Sem saber esperar mais, foste soltando cada botão do meu macacão em constante delírio... apertaste-me os seios excitados... beijaste-me sofregamente e fizeste-me sentir Mulher!
Já completamente despida pelas tuas mãos, ali fiquei perante o teu olhar que brilhava como nunca!
Era tão bom sentir-me assim - viva de novo, desejada como nunca!
Levaste-me para a cama, desceste sobre mim e fizeste-me dos melhores minetes que algum dia recebi!
Uiiiiiii... fui às nuvens.
Confesso que não esperava que fosses assim tão maroto...
Naquele preciso momento decidi mostrar-te o meu melhor.
Aproximei a boca do teu pénis e num impulso imediato senti-te dentro dela.
Suspirei...
Ouvi-me gemer...
Apertei-te...
Delirei...
Chupei-te...
Pedi que me amasses naquela noite que mal tinha começado!

(Continua... um dia destes!)
 
Support : Copyright © 2015. pura mente impropria - All Rights Reserved