Home » » A dança das escadas

A dança das escadas


As mãos dele percorreram, ávidas e sedentas o seu corpo suado de tanto dançar...e tudo começou assim...
A noite estava quente e o desejo mergulhava num oceano de loucura...
O corpo já embriagado bailava ao som da música que descontrolava os passos. Na sua cabeça ecoava aquela voz dominadora:
- Vem, estou à tua espera...
Ele seguia cada um dos seus movimentos, ela começou a emitir todos os sinais de quem o desejava também seduzir... Os seus olhares procuravam, desesperadamente, um canto para quem sabe partilharem bons momentos...
De repente, ele aproximou-se por detrás dela, sussurrando-lhe ao ouvido: "Tu hoje estás um espanto!"
Ela estremeceu com a energia sexual que aquele homem irradiava...
Iniciaram uma dança erótica, temperada com movimentos de total volúpia...uma dança que chamava a atenção de todos aqueles que os rodeavam naquele espaço nocturno.
- Vamos sair daqui, vamos para qualquer lado... disse-lhe ao ouvido.
Passados alguns minutos desapareceram na estrada...
- Vamos para onde?
- Para a minha casa! Pode ser?
- Contigo vou até ao fim do mundo! - concluiu ele de olhar fixo no seu peito tão bem delineado.
A viagem até casa foi um verdadeiro rodopio de sensações e emoções, as mãos dele não deixavam escapar nenhum pedaço do corpo dela, que era dominado por um arrepio de prazer...
Chegaram à entrada do prédio, dali à porta de casa dela...hahahahaha...foi a viagem mais alucinante que ela alguma vez tinha vivido...
O seu vestido foi caindo pelo corpo, botão a botão... Os braços dele desde logo lhe envolveram a carne semi nua...e os seus lábios percorreram-lhe a pele macia com sabedoria indizível...
- Tem calma, vamos subir. - pediu ela envolta na excitação que aquela entrega lhe proporcionara...
A "dança" continuou nas escadas do prédio...ela deixou que a excitação do momento fizesse esquecer a razão...e ele foi descendo o corpo dela com beijos. Aninhando-se na junção das suas pernas, começou a lambê-la lentamente...a boca fixou a sua feminilidade e permaneceu ali deliciado a saborear o gosto daquela mulher, a sentir o seu prazer...o prazer que o deixava de novo com o membro rijo e a querer penetrar aquele corpo sedutor.
O perfil do pénis quente e latejante abriu apetites na boca dela que o acolheu de forma sôfrega e faminta.
Não aguentando mais de tanto desejo...ele continuou a tocar-lhe e a beijar-lhe a boca depois de...hum...
Ela escapou-lhe das mãos...subiu as escadas descontroladamente, abriu a porta de casa e aí sim, deixou-se invadir pelo sexo erecto que a consumiu sem limites...pelas mãos, pela boca lambuzada...misturando assim sabores e saberes que tanto desejo provocaram.
Acabaram estourados, mas mesmo assim, ele pegou nela ao colo e levou-a para a cama. Precisavam ambos de encontrar forças para mais tarde continuarem aquilo que não queriam parar... Foram horas e horas de luxuria e prazer, entregues ao ritmo da mais total volúpia!
 
Support : Copyright © 2015. pura mente impropria - All Rights Reserved